Histórica · Literária

02 de julho e os poetas santamarenses

Festejamos em 02 de julho a Independência da Bahia. A data refere-se à fuga do Comandante português Madeira de Melo e seu exército de volta para Portugal, na madrugada de 02 de julho de 1823, pondo fim aos conflitos iniciados em 19 de fevereiro de 1822.

parreiras_o_primeiro_passo_para_a_independc3aancia_da_bahia
O 1º passo para a independência. (Anônio Parreiras, 1931)

Como já vimos aqui, no post 14 de junho – tudo que um santamarense deveria saber, a Câmara de Vereadores de Santo Amaro foi a primeira a se posicionar oficialmente em prol da independência do Brasil, conforme a Ata da Vereação de 14 de junho de 1822. Esse fato é parte do processo começado em 19 de fevereiro, o que faz o 14 de junho santamarense ocupar um lugar relevante no movimento que culminou a deflagração da independência do país em 07 de setembro de 1822.

Ainda que o Recôncavo tenha se posicionado em favor da independência brasileira já antes da proclamação desta por Dom Pedro I, o Comandante Madeira de Melo e as tropas portuguesas persistiram em manter o domínio português sobre a Bahia. Na visão de Antonio Risério, em “Uma história da Cidade da Bahia”, havia pelo menos três significados para os portugueses em manter o controle sobre a Bahia.

Primo. Portugal não perderia por inteiro o Brasil – ao contrário, teria em suas mãos uma das províncias mais ricas […]. Secondo. O domínio da Bahia permitiria pensar numa partilha do Brasil – um reino autônomo poderia se articular no Centro-Sul, mas Portugal ficaria com um vasto território americano, estendendo-se da Província baiana a terras amazônicas […]. Terzo. A ocupação militar desse espaço, do Leste ao Extremo Norte, quiça abriria caminho para futuras investidas, conduzindo à reconquista lusitana de todo (ou quase todo) o Brasil. (RISÉRIO, 2004, p. 327)

Por essa razão, o 02 de julho de 1823, independência da Bahia, tem uma importância primordial na consolidação da independência nacional.

Mais adiante, compartilho 03 poemas de santamarenses sobre o 02 de julho. O primeiro, de Amélia Rodrigues, sobre a qual já escrevemos aqui, traz pedagogicamente à memória o martírio da Madre Joana Angélica, ocorrido em 19 de fevereiro de 1822, início das lutas pela independência da Bahia. O segundo e o terceiro são de Domingos de Faria Machado, uma personalidade sobre a qual ainda desejamos escrever aqui no blog, entre outras coisas, por ser o compositor da Novena de Nossa Senhora da Purificação. Os dois poemas foram publicados em 1851, seguindo o costume de compor hinos e poemas ao 02 de julho, que recebeu durante todo o século XIX uma reverência própria à que damos às coisas sagradas.

Esses poemas são apenas alguns exemplos dos muitos compostos naquele século, alguns dos quais pelo próprio Domingos de Faria Machado, mas também por outros poetas e poetisas da Bahia, que se dedicaram fartamente a  fazerem uma representação do 02 de julho pela ótica de ideias como o sacrifício, a heroicidade, a liberdade. Estes e outros poemas podem ser encontrados nos livros “O Patriota de Santo Amaro: Domingos de Faria Machado” e “O 2 de Julho na Bahia: antologia poética”, ambos organizados pela profª. Drª. Lizir Arcanjo Alves.

 

JOANA ANGÉLICA
Às crianças baianas

Crianças! Aprendei de nossa História
Um fato mais: tragédia desumana
E vil, porém que cinge de honra e glória
A fronte pura da mulher baiana.

Vou resumi-lo para vós. Um dia,
(Ao rebentar da Independência a luta)
Pela cidade ouviu-se a correria
Da soldadesca lusa, infrene e bruta.

Queria sangue e oiro. Indescritível
Era o seu ódio, o seu desbragamento
Fere, mata… e depois, ímpia, terrível,
Assalta e quebra as portas de um convento,

O convento da Lapa, ninho santo,
Onde viviam dignas brasileiras
Como pombas de Deus, no doce encanto
Da fé cristã. As inocentes freiras

Desmaiam de terror. Caíra morto
O velho capelão, p’ra defendê-las…
Nessa hora de pranto e desconforto
Meu Deus! Meu Deus! O que seria delas?

Madre Joana Angélica, a abadessa,
Assoma à porta, que o machado abrira,
E exclama, erguendo a virginal cabeça,
E o braço firme, numa santa ira:

“Ímpios!… para traz!… respeitai a morada
Das servas do senhor!…” no mesmo instante,
Tomba morta, de golpes traspassada…
E a canalha cruel passa adiante,

Pisando o nobre coração sem vida
E a fronte branca, a resplender virtude,
Da heroica mártir. Ó Pátria querida,
Não a esqueças jamais!… Ó juventude,

Recordai sempre o seu brilhante exemplo
De pureza e coragem varonil!
Sacrificai-vos defendendo o templo,
O lar, a honra, o nome do Brasil!

Amélia Rodrigues. Revista Cívica. Edição especial comemorativa do 1º centenário da independência brasileira. XVII, 46, 2 julho 1923.

 

HINO BRASILEIRO
Para ser cantado no glorioso Dia 2 de Julho
(Poesia dum sant’Amarense liberal, música de outro, oferecida à Briosa Sociedade 2 DE JULHO, instalada nessa cidade no dia 13 de maio de 1851)

Viva de Julho o segundo
Dia de prosperidade
Para o Brasil o primeiro
Império da Liberdade.

Nossa firmeza
Nossa união
Trará da Pátria
A salvação

Tu, Bahia a 2 de Julho
Marcaste uma nova idade
Debelaste os opressores
Deste ao Brasil Liberdade.

Foi dos céus por Febo ardente
Que a Divina Majestade
A 2 de Julho enviou-nos
A vitória, e Liberdade.

Viva a nossa Independência
Viva em Pedro a lealdade
Vivam os brados defensores
Da Pátria e da Liberdade.

Rege nossas convicções
A social trindade,
Vive em nossos corações
Pátria, Pedro e Liberdade.

Nosso Império aurifecundo,
Prodígio da Divindade,
Produziu Pedro segundo
Garante da Liberdade.

Pedro exemplo dos monarcas
Americana entidade,
Há de ser por natureza
Amante da Liberdade.

Veremos quando ante o Trono
Aparecer a verdade
Abrasar-se a tirania
No fogo da Liberdade.

Valor e patriotismo
União, fraternidade
Devem ser nossas divisas
Escudos da Liberdade.

Baldos recursos procuras
Teimosa atualidade:
Não há poder que suplante
Do Brasil a Liberdade.

Nossa firmeza
Nossa união
Trará da Pátria
A salvação

(Domingos de Faria Machado. Argos Sant’Amarense, 2 julho 1851, p. 3-4)

 

SONETO
Ao Índio do carro triunfal na sua descida da praça da Matriz para a rua do Trapiche de baixo à meia-noite.

Lá ribomba o canhão da Liberdade,
Festivo o campanário ao mundo soa,
Nossa gente nas praças se amontoa
De toda condição, de toda idade.

A livre, heroica, ardente Mocidade
Ao ledo DOUS DE JULHO hinos entoa,
Um pensamento existe, um brado ecoa:
Liberdade!… União!… Fraternidade!…

Ali vejo abatido o servilismo,
Erguida à Liberdade uma memória,
Um Índio-rei curvando o despotismo!

Eis o símb’lo leal d’alta vitória,
Que excita em livres peitos o heroísmo,
Reminiscência, júbilos, e glória!

(Domingos de Faria Machado. Argos Sant’Amarense, 20 julho 1851, p. 4)

 

Rev. Pe. Adriano Portela dos Santos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s