Literária

A Igreja do Diabo (Machado de Assis)

Continuando a apresentação de textos literários que favorecem o diálogo entre Literatura e Teologia, trago hoje o conto A Igreja do Diabo, de Machado de Assis. Sempre me impressionou esse conto por conta de refletir sobre a inclinação humana à contradição, ao controverso, à dificuldade de integridade. Machado trabalha essa realidade humana, com o sarcasmo refinado e o conhecimento da psicologia humana, que são próprios de seu estilo literário. Daí que ele encerra o conto com a seguinte máxima dita : “Que queres tu, meu pobre Diabo? As capas de algodão têm agora franjas de seda, como as de veludo tiveram franjas de algodão. Que queres tu? É a eterna contradição humana”. O conto é uma resposta à pergunta: O que aconteceria se o Diabo resolvesse abrir uma igreja? Boa leitura!

imprensa4Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, em 1839 e faleceu na mesma cidade em 1908. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras e é um dos mais renomados escritores brasileiros, tendo sua obra vinculada tanto à estética Romântica, quanto à Realista, a depender de sua fase literária. Muitos de seus textos perpassam pelo tema da Religião.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s