Comentários

SEGUNDA-FEIRA, 27 DE OUTUBRO DE 2008

Quatrocentos anos de muita fé no jubileu da Purificação
(Pe. Sebastião Heber)

Santo Amaro está em festa. A paróquia da Purificação celebra seus quatrocentos anos de criação : 1608 – 2008. A preparação foi feita com muito ardor e devoção. Houve a tradicional novena, com eloqüentes pregadores, grande participação do povo e tudo culminando com os dois dias de festa, o 18 e 19 de outubro. Mas, sobretudo, quem presidiu as festas foi o Senhor do Bonfim, que foi transportado de Salvador e lá permaneceu venerado pelo povo fiel. No último dia, houve a missa solene concelebrada por cerca de 20 padres, e Mons. Walter Pinto presidindo todo o conjunto dos festejos. Mas não podia faltar, no encerramento a palavra do filho dileto daquela cidade, Pe. Sadoc, considerado o “guardião da palavra”, que abrilhantou com seu verbo fácil, eloqüente e devoto, o encerramento dos festejos. Na missa foi oferecida uma cruz a todos os padres presentes. Esse foi um sinal da cruz missionária que circulou naquelas paragens nesses quatro séculos de evangelização. Nela há uma inscrição significativa : ”A missão continua – quatrocentos anos de luz”.

Nesse contexto dos festejos, está sendo lançado um livro do seminarista santamarense Adriano Portela, intitulado : ”Informes históricos da Paróquia de Nossa Senhora da Purificação – Itinerário secular de uma missão”. Nos agradecimentos o jovem escritor agradece aos padres Edílson Bispo Conceição, pároco da infância dele, e Hélio Cezar Leal Vilas-Boas, hoje pároco de Cachoeira, grande incentivador dessa pesquisa.

O sumário contém os principais itens de que a pesquisa trata: 1- a Paróquia da Purificação e o contexto eclesial do período de sua criação; 2- Os padres santamarenses : algumas contribuições da Paróquia à Igreja da Bahia; 3- A devoção mariana no conjunto arquitetônico da matriz da Purificação; 4- A cidade de Santo Amaro e a paróquia da Purificação; 5- Os párocos da Purificação e os seus auxiliares no governo da Paróquia; 6- A Purificação e os seus benfeitores salutares; 7- A ação pastoral da Purificação.

A apresentação é feita pelo Pe. Sadoc que salienta :”A verdade sempre nos libertará, por isso, a pesquisa histórica é muitíssimo benemérita, quando é norteada pela busca da verdade. E, para ser calcada na verdade, importa que o pesquisador coloque, a serviço da verdade, sua mente, seu coração, sua justiça. Gostei e muito aprendi com a leitura dessa pesquisa. Segundo Cícero, a história é mestra da vida, por isso é louvável todo empenho por manter a história viva”.

No prefácio, o pároco, Mons. Walter, além de salientar a importância do percurso histórico que o autor faz, menciona o trabalho pastoral dos seus predecessores: ”Fiz um deleitoso passeio pela história desta bonita Paróquia, da sua matriz tão bela, na qual reina majestosa a Senhora da Purificação, cercada por obras de arte de todos os níveis, como também pelo trabalho pastoral desenvolvido por tantos presbíteros, desde o provável primeiro deles, Pe. Antônio Fernandes, até Cônego Hélio Vilas-Boas, meu predecessor. Foi exatamente deste capítulo que mais gostei, pois é sempre do meu interesse o que fizeram, e como escreveram a história, os que vieram antes de mim, no exercício do ministério pastoral”.

A bela matriz, que mais parece uma catedral, teve um percurso. A sede da paróquia da Purificação instalou-se em outras igrejas da cidade. Passou do Engenho de Sergipe até chegar à Praça da Purificação. E tudo se transporta para as origens primeiras no tempo da colônia. A primeira igreja matriz surgiu na sesmaria que pertencera a Mem de Sá, terceiro Governador Geral do Brasil (1558-1572). Quando essa Paróquia foi criada, a Diocese de Salvador cobria boa parte da colônia portuguesa estabelecida no Brasil, ao lado da Prelazia do Rio de Janeiro, que havia sido desmembrada de Salvador em 1576.

De todos esses momentos históricos, sublinhados pelo livro ora editado, essa comemorações querem nos aproximar.

Não há festa jubilar sem um hino que traduza o sentido, o conteúdo e a beleza das celebrações. A foto da capa do livro da liturgia foi do Pe. Rogério Marcos, pároco da igreja do Rosário. O hino do jubileu coube a Cleusa Maria Cunha, da família do Pe. Sadoc, uma santamarense da gema e que por onde passa, espalha o perfume de sua voz. Por isso, St° Agostinho diz que quem canta reza duas vezes. Seu hino é um convite à oração e ao louvor.

Refrão : “Quatrocentos anos de muito amor. Quatrocentos anos de muita luz. Quatrocentos anos de muita fé. Na purificação da Mãe de Jesus”.

1-“ Purificação de Maria, da mais profunda humildade, lição em todos os tempos ensinando a humildade.
2- Levava Jesus nos braços e apresentou-o no tempo, ela concebida, sem pecado, Ele da santidade o exemplo.
3- O menino esperado Messias, nas mãos frágeis de Simeão, que iluminado o proclamou sinal de contradição.
4- E reservou para Maria antecipados sofrimentos, espada que a faria ser mártir de cada momento.
5- Em terras de Santo Amaro da Purificação, a maior glória é sermos todos escolhidos para construir a sua história.”

tiaoaoaoaPe. Sebastião Heber Vieira Costa faleceu em 01 de janeiro de 2011. Era Professor Adjunto de Antropologia da UNEB, da Faculdade 2 de Julho e da Cairu, Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, da Academia Mater Salvatoris, Sócio da Associação Nacional de Interpretação do Patrimônio, Sócio Efetivo do Instituto Genealógico. .

Fonte: http://sebastiaoheber.blogspot.com.br/2008/10/quatrocentos-anos-de-muita-fno-jubileu.html.

————————————————————————–

SEXTA-FEIRA, 31 DE OUTUBRO DE 2008

Apresentação do Livro: Informes Históricos da Paróquia Nossa Senhora da Purificação, por Danilo Pinto dos Santos

 

Antes de apresentar o livro do nosso querido colega Adriano, gostaria de relembrá-lo do seu último aniversário, quando espirituosamente lhe escrevi um trecho da Música Menino Deus, de Caetano Veloso. É sabido que esta música não diz de felicitações natalícias, contudo não encontrei forma melhor de saudá-lo na ocasião dos seus 24 anos.

No cartão constava o seguinte: “Menino Deus quando tua luz se acenda, a minha voz comporá tua lenda e por um momento haverá mais futuro do que jamais ouve. Mas, ouve a nossa harmonia, a eletricidade ligada no dia, em que brilharias por sobre a cidade”. Não imaginava, eu, que a lenda que a minha voz comporia seria do seu livro, o qual hoje apresento, motivo pelo qual nos reunimos aqui, nem que a cidade por sobre a qual brilharias seria a querida Santo Amaro.

Mas, deixe-me apresentar o seu livro, posto que para isto que fui convidado. O livro Informes Históricos da Paróquia de Nossa Senhora da Purificação: reúne uma série de artigos sobre a quatricentenária paróquia da Purificação, situada na cidade de Santo Amaro, bem como descrições da gente morena que habita esta terra do massapê.

Dessa forma, o autor principia a sua obra conduzindo-nos num diligente passeio histórico pelas igrejas que sediaram a Paróquia da Purificação. Em seu relato, nos conduz do Engenho do Sergipe do Conde, dos tempos idos do 3º Governador Geral, Mem de Sá, à Praça da Purificação, onde hoje está situada a paróquia. Desde o início da sua construção em 1688, um empreendimento que durou cerca de cem anos, a Igreja Matriz passou por três grandes reformas: a primeira entre os anos 1921 e 1926, a segunda em 1939 e a terceira em 1994.

No segundo artigo que compõem este informe, o autor largueia a compreensão do contexto em que a paróquia foi criada ao oferecer-nos notícias da conjuntura eclesial da Bahia deste período, a saber, o século XVII. Cumpre lembrar que, naquela ocasião, estávamos no bispado de D. Constantino Barradas, que fora o 4º bispo da Diocese de São Salvador da Bahia.

Na outra parte desta seção, nos coloca diante do processo de desmembramento da Paróquia da Purificação, num itinerário histórico que vai de 1696 a 1871. Essa, ao longo dos seus quatrocentos anos, foi desmembrada em muitas outras, sendo a primeira delas a Paróquia de São Domingos de Gusmão, em Saubara; logo depois, a Paróquia de N. Senhora da Oliveira dos Campinhos, em Oliveira dos Campinhos e regiões circunvizinhas, seguida da Paróquia de São Pedro do Rio Fundo, em Terra Nova. Por fim, desmembrou-se ainda, dentro da própria cidade de Santo Amaro, a Paróquia de N. Senhora do Rosário.

O terceiro informe nos apresenta aos padres santamarenses e a algumas de suas contribuições à Igreja da Bahia. Antes disto, não posso deixar de citar, aqui, o próprio autor ao dizer que “Por certo, esta não é a única [contribuição], mas talvez seja a mais expressiva, considerando que gerar um padre é metáfora de tudo que uma comunidade de fé pode fazer por uma Igreja Particular”. Entre tantos vultos eclesiásticos, desta terra do massapê que enriqueceram o clero baiano, destaco no séc. XIX, o Côn. José Cupertino Lacerda que se tornou deputado e senador do estado, além de, por alguns meses, exercer o cargo de Governador. Além disso, foi o primeiro sacerdote a ocupar um lugar na Academia de Letras da Bahia.

No início do séc. XX temos o Côn. Miguel de Lima Valverde, que ascendeu ao episcopado e se tornou o primeiro bispo de Sta Maria da Boca do Monte / RS. Dentre os seus grandes feitos, destaco o início da construção da Capela da Sagrada Família, idealizada por ele; a fundação na Arquidiocese das Obras das Vocações Sacerdotais, bem como o jornal Cidade do Salvador, o Mensageiro de Fé e a Revista Eclesiástica da Bahia. Entre outras coisas preparou e presidiu, em Olinda e Recife /Pe, o 3º Congresso Eucarístico Nacional, realizado em 1939, além da criação da diocese de Caruaru em 1948.

Evidencia, ainda, o grande orador sacro da Bahia, monsenhor Gaspar Sadoc da Natividade. Este, antes de ordenado padre recebeu admiravelmente duas permissões para pregar em liturgias, considerando que ele se encontrava muitos anos antes do Concílio Vaticano II, isto não era comum. No exercício de seu ministério passou pelas paróquias de São Cosme e São Damião, na Liberdade, São Judas Tadeu e N. Senhora da Vitória, onde permanece até os dias atuais como vigário Paroquial. Em 1990 tomou posse na Academia Baiana de Letras. Muito respeitado na Arquidiocese, ainda exerce os cargos de Capelão do Instituto Feminino da Bahia e de Vigário Geral.

Mais adiante, nos deparamos com aquela que considero a mais bela alínea desta obra, a saber, o relato sobre as devoções marianas no conjunto arquitetônico da matriz da Purificação. Nesta parte, o autor nos conduz com maestria a um agradável passeio pela igreja matriz apresentado-nos cada imagem mariana, os seus afrescos representando as invocações da ladainha de N. Senhora e toda uma seção de painéis feitos de azulejos portugueses que retratam o Cântico dos Cânticos, o Proto-Evangelho de Tiago e alguns momentos da infância de Jesus. Ao ler este capítulo, confesso que me senti transportado a este espaço sagrado, experimentando, inclusive, da devoção que o povo santamarense tem a N. Senhora da Purificação.

Na seqüência, de um modo diverso, e não menos eloqüente, o autor nos apresentará as relações entre a cidade de Santo Amaro e Paróquia de N. Senhora da Purificação. Tendo em conta que “cada cidade tem uma marca identificadora, que no dizer de Susin é alma da cidade”. Neste capítulo, verificamos como a origem de Santo Amaro se confunde com os primórdios da própria presença da Igreja neste local.

Dessa forma, somos conduzidos num itinerário histórico das origens da localidade, no sec. XVII, quando ainda compunha a sesmaria de Mem de Sá, ao momento em que foi elevada à categoria de Vila, no ano de 1727, sob o título de Vila de N. Senhora da Purificação e Santo Amaro. Avançando alguns anos no tempo, vemos esta vila ser elevada à categoria de cidade no ano de 1837. O autor nos faz concluir que, todo o processo de desenvolvimento da cidade, oficiosamente chamada de Santo Amaro da Purificação, não se deu em outro lugar senão em torno da atual Igreja Matriz da Purificação, o que, por sua vez, denota a centralidade da piedade cristã na vida de seus habitantes.

Outro artigo que compõem estes informes nos noticia os párocos e auxiliares que governaram a paróquia da Purificação nestes seus quatrocentos anos de vida. Num fôlego impressionante, o autor nos apresenta desde o provável primeiro pároco o Pe. Antônio Fernandes, até o Côn. Hélio Vilas Boas, o último deles, antes da chegada do Mons. Walter Pinto de Andrade. Cumpre ressaltar que, esta explanação oferece ricas informações dos momentos mais salutares da vida pastoral desta paróquia, cap. que se complementa com o último, intitulado de A Ação Pastoral da Purificação.

O autor dedica, ainda, um capítulo especial aos benfeitores da paróquia, na pessoa das centenárias D. Luizinha Pedreira e D. Canô Veloso, a primeira delas animadora vocacional do nosso artífice. Para este, “elas são apenas a expressão atual da providência que Deus sempre suscita na história para amparar o anúncio do Evangelho, assim como suscitou piedosas mulheres que auxiliassem materialmente o ministério do seu Filho, na Galiléia”. Dessa forma, num caminho descendente o autor nos apresenta aos benfeitores que contribuíram de forma mais significativa nestes quatrocentos anos desta comunidade de fé.

Certamente, Informes Históricos da Paróquia de Nossa Senhora da Purificação não cumpre apenas a promessa de recuperar a memória quatricentenária da referida paróquia, o que por si já se constitui de um grande feito. Mas, esta obra oferece ao pesquisador em geral informações raras e termos próprios da História da Igreja que não são muito usuais e que o tempo os legou o esquecimento. De sobremaneira, na atual conjuntura que vivemos, quando várias paróquias desta Igreja Particular celebram a sua data de confirmação, o seu livro não é outra coisa que não um presente a esta arquidiocese que tem “o pé fincado na história”, e da qual somos agradecidos herdeiros.

Por fim, gostaria de lhe dizer que é louvável este seu empenho em conjugar Teologia e Literatura, e embora trate este livro de assuntos históricos não poderia estar tão bem feito se não fosse inspirado na fé, nem possuísse a beleza tão própria das Letras. A Teologia, Adriano, e em especial as Letras, te merecem. Parabéns pelo seu trabalho e que Deus continue fazendo profícuo o seu caminho.

30 de Outubro de 2008.

setor-universitc3a1rios

Danilo Pinto dos Santos é Padre da Arquidiocese de São Salvador da Bahia, Assessor Nacional do Setor Universidades da CNBB e Professor da Universidade Católica do Salvador (UCSAL)

 

Fonte: http://cateologia.blogspot.com.br/2008/10/apresentao-do-livro-informes-histricos.html