Teológica

O Grande Mistério

 Ah! Tanta gente quer saber se acredito em Deus! Mas eu não entendo a sua pergunta porque não sei o que elas querem dizer com essa palavra “acreditar”.

E se eu respondesse elas receberiam apenas uma mentira embora eu tivesse falado a verdade.

As palavras são enganosas… Palavras são bolsos, bolsos vazios. À medida em que a gente vai vivendo a gente vai pondo coisas dentro do bolso. O bolso que tem o nome Deus fica cheio das quinquilharias que catamos pela vida.

Assim, quando falamos sobre Deus não falamos sobre Deus. Falamos é sobre as coisas que guardamos dentro desse bolso. Assim, se eu respondesse “acredito em Deus” a outra pessoa se enganaria pensando  que dentro do meu bolso eu guardo as mesmas coisas que ela guarda no seu. E concluiria mais que eu sou um boa pessoa. Mas se tivesse dito que não acredito em Deus ela concluiria que não sou uma boa pessoa.

Uma sugestão: vejam o filme  A linguagem das mariposas. Ele se passa ao final da guerra espanhola, quando o ditador se pôs a matar os seus inimigos derrotados. Não importava que nada tivesse feito, que não tivessem disparado um tiro. Eles eram culpados de pensar diferente. Os soldados haviam chegado a uma aldeia e todos os diferentes ( eles não iam à missa ) estavam sendo presos para o fuzilamento.  A  aldeia inteira assistia as prisões daqueles que até a véspera tenha sido seus amigos. O padre sabia e, ao lado dos fuzis,  se preparava para a absolvição dos pecados… ) E a acusação suprema de impiedade que era lançada aos contra os caminhantes  “dali a pouco cadáveres”  era: “Ateus!” Mas o que importava mesmo era que o generalíssimo Franco acreditava em Deus e era católico de comunhão diária… Muitas pessoas guardam mortes no bolso que tem o nome de Deus.

“Acreditar”, no sentido comum que as religiões dão a essa palavra,  refere-se a entidades que ninguém jamais viu tais como anjos, pecados,  santos, milagres, castigos divinos, inferno, céu, purgatório… No meu bolso  sagrado “acreditar” é palavra que não entra. Ele está cheio é com palavras que têm a ver com amor, mesmo que o objeto do meu amor não exista. Lembro-me das palavras de Valèry: “Que seria de nós sem o socorro das coisas que não existem?” Muitas coisas que não existem têm poder…

Eu amo a beleza da natureza, da música, de um poema. Amo a beleza das palavras de amor que os apaixonados trocam. Uma criança adormecida é, para mim, uma revelação, uma ocasião de espanto. Acho que Bachelard adoraria nos mesmos altares que eu:  “A inquietação que temos pela criança”  ele escreveu, “sustenta uma coragem invencível”. Uma criança é um pequeno deus.

Para mim a beleza é sagrada porque, ao experimentá-la, eu me sinto possuido pelo Grande Mistério que nos cerca. Sinto-me como uma aranha que constroi a sua teia sobre o abismo. O abismo está à volta de nós, o abismo está dentro de nós. Os fios da minha teia, eu os tiro de dentro de mim, são partes do meu corpo. Teço a minha teia com poesia e música.

De Deus só temos a suspeita. A beleza é a sombra de Deus no mundo. Sobre ele – ou ela – deve-se calar- muito embora as religiões sejam por demais tagarelas a seu respeito, havendo mesmo algumas  que se acreditam possuidoras do monopólio das palavras certas – a que dão o nome de dogmas.

Estou de acordo com Alberto Caeiro: “Pensar em Deus é desobedecer a Deus, porque Deus quis que não o conhecêssemos.. Se ele quisesse que eu acreditasse nele, sem dúvida que viria falar comigo e entraria pela porta dentro dizendo-me “Aqui estou!”

E de acordo também com Walt Whitman: “E á raça humana eu digo: – Não seja curiosa a respeito de Deus, pois eu sou curioso sobre todas as coisas e não sou curioso sobre Deus. Não há palavra capaz de dizer quanto eu me sinto em paz perante Deus e a morte..). Escuto e vejo Deus em todos os objetos, embora de Deus mesmo eu não entenda nem um pouquinho.Já percebi que estar com aqueles de quem gosto é quanto basta..”  Buber concordaria. Estar junto é divino. Deus mora nos intervalos entre as pessoas que se amam.

Eu já nem tenho mais o bolso com o nome “Deus”. Esse nome  se presta a muitas confusões.Muitos bolsos com esse nome estão cheios de escorpiões e vinganças.

Amo a sombra de Deus. Mas ele mesmo eu nunca vi. Sou um ser humano limitado. Só sou capaz de amar as coisas que vejo, ouço, abraço, beijo…

Mas tenho um bolso com o nome de “o Grande Mistério”. Mas não sei o que está dentro dele. Por vezes suspeito que é o meu coração…

(Rubem Alves)

rubem-alves-reproducao

Foi pastor presbiteriano, mas concluiu a vida sendo escritor, educador e “teólogo do Reino”, como ele mesmo se intitulava.

* Crônica disponível em:
http://rubemalves.com.br/site/

Um comentário em “O Grande Mistério

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s